Open City recebe criador do Banco de Alimentos

Por Anna Hadler, do Open City

No dia 13 de maio, o grupo de estudantes que fazem parte do Open City, conversou com Daniel Ferratori, criador do Banco de Alimentos de Santos. O negócio social tem foco na dominuição do desperdicio. Seu funcionamento está baseado em um ciclo simples, mas efetivo: recolher os alimentos que sobram nas feiras e entregar onde falta.

Daniel dedicou parte do papo para compartilhar a sua trajetória profissional com os alunos. Como explicou, o engenheiro decidiu deixar seu emprego para buscar um novo sentido na Índia. No país, ele trabalhou com negócios sociais transformando algumas agro-vilas por meio do turismo.

Dessa forma, Daniel apontou como suas experiências passadas foram uma fonte de aprendizado para que adquirisse uma consciência solidária e menos individualista.

Ao falar da concepção de um projeto como empreendedor, lembrou que enfrentar obstáculos faz parte do processo. No entanto, destacou a importância de sempre se ter claro o objetivo central do trabalho.

A turma do Open City irá criar e executar um projeto que possa impactar a comunidade até o final do ano. Conversas como a que aconteceu com o Daniel servem de inspiração para este processo.

Open City visita RedBull Station

Por Isabela Cunha e Verena Ale, do Open City

O grupo do Open City 2014 foi visitar um espaço que reúne arte e inovação: a RedBull Station. Nele se encontra a RedBull House of Arts, que é um projeto de residência artística, além do Estúdio RedBull, de música.

A empresa convida alguns artistas visuais, renomados ou iniciantes, que fazem pintura, escultura ou vídeos, mais voltados para as obras experimentais. Eles ocupam o local em ateliers provisórios, assim é possível acompanhar o processo pela qual a obra passa e encontrar seus autores pelos corredores.

“As obras que vimos eram criativas e se ajustavam ao ambiente, desde murais na parede até telescópios que miravam a passarela que fica muito próxima das janelas da sala”, contou a aluna Isabela Cunha.

A RedBull Station ja passou pelo prédio Sampaio Moreira e pelo Hotel Central, ambos no centro velho da cidade. Ou seja, a proposta é procurar lugares abandonados, que possam ser ocupados e até restaurados.

A versão atual abriu em novembro do ano passado, numa antiga estação de distribuição de energia da Eletropaulo, na Praça da Bandeira. Trata-se de um prédio de 1920 tombado pelo DPH (Departamento Histórico). Os funcionários da empresa só puderam fazer algumas pequenas mudanças no lugar, como por exemplo derrubar paredes, para deixar o espaço mais amplo. Mas nada de reformas radicais.

Além dos artistas residentes, na “laje” do prédio há exposições ao ar livre, um belo chafariz e alguns shows. É possível ainda pode aproveitar a bela e “barulhenta” vista para a Praça da Bandeira.

Nos modernos e envidraçados estúdios de música é onde artistas realizam projetos musicais experimentais – na ocasião o grupo encontrou o produtor  norte-americano Arto Linsay, que já trabalhou com Caetano Veloso e David Byrne, entre outros, realizando um encontro de produtores.

O grupo Open City , parceria do Band com Universidade de Harvard e MIT (Massachusetts Institute of Technology), vivencia e produz inovação com foco na melhora da comunidade.